quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Pe. Lodi e o voto nulo

Palavras do Pe. Lodi, do Pró-Vida de Anápolis:
A tentação do voto nulo
Para o eleitor cristão, não é tarefa fácil nem agradável escolher entre dois candidatos maus. A repugnância pelo aborto leva-nos à tentação – à qual devemos resistir – de anular o próprio voto, num gesto de desdém.
Essa atitude, apesar de trazer alguma satisfação psicológica, acaba por contribuir para o aumento do mal que se quereria evitar. Os votos nulos, assim como os brancos, não são computados (art. 77, §2º, CF). Mas eles acabam contribuindo para eleger o candidato mais popular.
Para exemplificar: se dentre 1000 pessoas, nenhuma tiver votado branco ou nulo, todos os votos serão válidos e ganhará o candidato que receber mais de 50% dos votos, ou seja, 501 votos. Mas se dentre essas 1000 pessoas, 50 tiverem votado branco ou nulo, significa que teremos apenas 950 votos válidos. Portanto, o mesmo candidato será eleito se alcançar 476 votos.

Dilma, portanto, só tem a ganhar com aqueles pró-vida que, desgostosos de José Serra, resolverem votar em branco ou anular seu voto.
Esta é uma hora crítica, em que precisamos imitar a conduta de Deus, que tantas vezes tolera um mal a fim de evitar um mal maior.
Em vez de arrancar o joio (por causa do perigo de arrancar com ele também o trigo), o Senhor manda deixar que joio e trigo cresçam até a hora da colheita (Mt 13,29). Em seu desejo de salvar tudo o que pode ser salvo, Ele não quebra a cana já rachada nem apaga a mecha que ainda fumega (Mt 12,20).
No dia 31 de outubro, antes de entrar na cabine eleitoral, talvez seja conveniente rezar “não nos deixeis cair em tentação (de anular o voto)”. Na hora de pressionar as teclas, talvez seja preciso prender a respiração antes de digitar “45” e “CONFIRMA”
. Mas o amor a Deus e à pátria exige de nós esse sacrifício.

3 comentários:

Vinícius Campos disse...

Olá!
Antes de votar, devemos observar em quem votamos, pois este político será o nosso representante. Por isso podemos cobrá-los para que eles atendam nossos pedidos e não façam o que não queiramos.
Não devemos votar num presidente poque este apoia ou não o aborto, pois a sua função é executiva. Os deputados e senadores que elegemos, os quais tem função legislativa, garantirão nossos interesses,se os cobrarmos.
É melhor eleger a Dilma do que o Serra, visto que ela dará sucessão política ao governo do Lula, pois também apresenta propostas práticas e que beneficiam a maioria do povo. Já o Serra, apesar de ter ótimas propostas para a saúde, sua política favorecerá apenas aos proprietários de terra e outros detentores de renda, fará manutenção das desigualdades socias, segundo suas propostas.
Mesmo que a Dilma seja a favor do aborto, mentira divulgada pela mídia, cujos donos,proprietários, curiosamente, estão ligados ao PSDB(que engraçado!), nunca será aprovado a lei do aborto: a sociedade brasileira não quer, nem mesmo os polícos querem!
Política é séria, não vote contra um político por causa de mentiras ou pontos ideológicos impraticáveis e impossíveis de serem realizados.
Espero que ponderem sobre este ponto de vista. Minha intenção não foi ofender ninguém, porém se fiz, peço já perdão.

Anônimo disse...

é estarrecedor a ousadia dos bandidos do pt

querem a força, calar a Igreja

veja você mesmo

SPAM DA QUADRILHA CONTRA A IGREJA


http://gentedecente.com.br/



ISTO TEM QUE CHEGAR NA CAMPANHA DO SERRA, URGENTEMENTE!

Evandro Monteiro disse...

Vinícius, em primeiro lugar, obrigado por visitar este blogue.
Olha, se você vai votar na Dilma, isso é lá contigo, só sei que eu não voto nela, pelos vários motivos que já foram amplamente divulgados na mídia, e isso porque nem estou levando em conta aquela estorinha do "nem Jesus Cristo me tira", o que acho não ser verdade, mas...
Não é só pela questão do aborto, as que a Dilma, ainda que negue e jure de pés juntos, é abortista sim.