sexta-feira, 16 de julho de 2010

¡Arriba, Argaytina!

¡Arriba, Argaytina!
A República Argentina acaba de permitir a união civil dos argaytinos!

¡Vamos, vamos, Argaytina, no te dejes olvidar,
que esa bicha es quemadera, y le gusta rebolar!


Podemos ler no jornal O Estado de São Paulo: Argentina aprova casamento gay.
“Na madrugada desta quinta-feira, 15, depois de 14 horas de debates intensos, o Senado argentino aprovou o projeto de lei que permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Do total de senadores presentes, 33 votaram a favor. Outros 27 senadores votaram contra. Três parlamentares abstiveram-se.”
Depois disso, los brasucas é que son maricones?

Mas voltemos ao assunto...
E o que disse a Igreja?
“A cúpula da Igreja Católica posicionou-se contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo de forma categórica. Nas últimas semanas, o primaz da Argentina, cardeal Jorge Bergoglio, havia convocado uma campanha contra o casamento homossexual. O cardeal definiu sua batalha contra o projeto de lei como uma ‘Guerra de Deus’ (Bergoglio foi um ‘papável’ que no último conclave no Vaticano ficou em segundo lugar na votação para escolher o novo Sumo Pontífice, ficando atrás de Joseph Ratzinger, que foi eleito papa).
O bispo de Río Cuarto, monsenhor Eduardo Martín, sustentou que os homossexuais colocam em risco o ‘futuro da pátria’.”
Mas todos do clero seguiram a cúpula da Igreja?
Infelizmente estamos na América Latrina:
“No entanto, diversos padres em dezenas de paróquias do país respaldaram a iniciativa, indo na contra-mão da alta hierarquia.”

Esses padrecos devem ser filhos da Teologia da Libertação, não há outra explicação! Além disso, se estão a favor, é porque também são chegados em... hã... aquilo lá... bem na... Ah, deixa as preferências desses “padres” pra lá!

Com isso só nos resta pedir a proteção e intercessão da Padroeira da Argentina, Nossa Senhora de Luján, para que o povo católico desta nação sul-americana não se esmoreça e continue com espírito de guerra, contra essa porcaria de mentalidade:
“Perto dali, grupos de católicos que opunham-se ao casamento entre pessoas do mesmo sexo choravam enquanto seguravam estátuas da Virgem Maria. Os integrantes destes grupos rezavam o rosário e alertavam para o iminente “Apocalipse” que assolaria a Argentina.”

Valei-nos, Nossa Senhora de Luján!

2 comentários:

Sm.Everton Franciso dos Santos disse...

Carissimo,
Perdoe-me a sinceridade,mas o inicio de seu post é de um humor doentio.Doentio.Que não condiz com o cristianismo.Brincar com o deploravel,nos torna deploraveis.


Pax.

Evandro Monteiro disse...

Prezado Sm. Everton, em primeiro lugar, seja bem-vindo ao blogue
Em segundo lugar, agradeço pela sua sinceridade, mas não creio que tenha me valido de algum humor "doentio".
A ironia, ainda que beire o sarcasmo, é uma arma da qual jamais poderia deixar de usar.
Não me acho deplorável, deplorável é esta situação escabrosa a que chegamos.
Se a própria Virgem chamou de "cloacas da Igreja" aos péssimos padres, quando apareceu em La Salette...