quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Funk "permitido"?

Já repararam no cartaz acima? Pois é, trata-se do anúncio do quinto aniversário de uma (...)teca. Tem DJ, revolucionário, roqueiro, música eletrônica e, “parem as máquinas!!!!” (como diria o Roberto Avalone), FUNK. E funk “permitido”.
Só gostaria de perguntar aos fãs do movimento: vocês acham certo se valer de uma dança sensual e chula como o funk para evangelizar a juventude?
Sejam sinceros: tem sentido pegar uma dança tão imoral, que já mexe com a nossa mente só de vermos a mulherada se requebrando?
“Ah”, nos dirá alguém, “mas o que vale é a intenção da pessoa, se ela não tiver maldade, não tem problema”.
Não tem problema? Como assim, não tem? É claro que tem!
Parodiando uma frase antiqüíssima, “não basta ser cristão, tem que parecer cristão”! De que adianta dizer que não vai às baladas do “mundão”, se quando vai numa (...)teca, se remexe do mesmo jeito? Ora, é do conhecimento de todos que o funk é dançado com todo mundo se retorcendo e rebolando, ou não é desse jeito?
É rebolando que vocês vão salvar almas? Pois foi numa dança assim que a filha de Herodíades, na festa de aniversário do rei Herodes, conseguiu para a mãe dela a cabeça de João Batista, como podemos conferir em Marcos 6, 14-29.
Quanto à questão de pegar qualquer estilo de dança ou música para atrair os jovens para Cristo e a Igreja, o Pe. Alberto Gambarini, grande nome do carismatismo nacional, nos diz:

De modo especial, quero falar aos jovens, que são um dos alvos preferidos de Satanás. Pelos mais diferentes modos, o Maligno tem levado a juventude à destruição. Há ídolos da música que com suas letras incentivam o uso errado do sexo, dos tóxicos, a rebelião contra tudo. Ao ouvir músicas que sacodem e desequilibram o corpo, muitos jovens estão se contaminando sem saber. Há algum tempo, me levantei de madrugada, liguei a televisão e vi uns loucos chacoalhando a cabeça e balançando o cabelo em um programa cristão. Um deles berrava, não cantava. A música cristã não pode reproduzir os moldes do mundo; ela tem de elevar nosso coração a Deus, abri-lo para a alegria, a meditação, a adoração e louvor! Você talvez diga: “Esse padre é muito careta!” Não. Nós cantamos músicas alegres na Igreja. Mas ao fazer isso não reproduzimos os moldes do mundo. Temos de tomar muito cuidado, porque o Maligno, infelizmente, tem entrado com sua fumaça dentro da Igreja.
(Pe. Alberto Gambarini, Batalha Espiritual, 3ª edição, pp. 28-29. Edições Loyola, 1996.)

Muitos vão a essas (...)tecas porque querem “sentir Jesus”... Por que desejar “sentir Jesus” se podemos visitá-l'O todos os dias diante do sacrário, ou numa adoração ao Santíssimo e, principal-mente, na Santa Missa, onde podemos recebê-l'O na Comunhão? Pensem nisso!

3 comentários:

santosdejeans disse...

E meu irmão...você certamente não tem filhos e nem parentes que precisam de Deus. Com certeza você deve ser alguem que não tem problemas na vida e que "se conheceu" Jesus Cristo, foi por acaso.
Não acredito que você gasta energia de sua casa e o seu tempo batendo em quem tenta alcaçar almas para Deus.
É uma pena mesmo, por que conheço gente que iniciou sua caminhada com Deus atravez de estilos musicais mais diferentes possiveis e hoje são lideres da Igreja. Fiz-me fraco com os fracos para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos para por todos os meios chegar a salvar alguns. (1Cor 9-22.) Se pra você esta palavra não tem sentido rasgue a Biblia!!
Com certeza você não acompanha os Show de evangelização da galera do cartaz e porisso critiva vorazmete...Pois eu te convido a se informar melhor sobre o que comentas....e se a fumaça do demonio entra na igreja com musicas que falam de Deus, tambem entram na igreja com comentarios mediucres e sem caridade para com quem precisa de outras linguagens para conhcer Jesus Cristo. Deus o abençoe bom domingo

Evandro Monteiro disse...

Mas você acha que São Paulo, ao dizer que se fez tudo para todos para levar a salvação, ele usou de tuuuuuuudo que existia naquele tempo?
Já pensou, se tivéssemos na igreja as dançarinas de Salomé, para honra e glória do Senhor?
Ou os bacanais de Cristo!
As corridas de biga com Maria!
Realmente, não acompanho os shows de evangelização, mas já fui a muitos. Tudo o que escrevo não é criação da minha cabeça, é por experiência pessoal.
E na minha opinião, "mediucres" - está tão preocupado em me repreender que esquece até de escrever corretamente - são essas modas que vocês copiam, modas que se vão com o tempo.
"Fumaça do demônio" quem escreveu não fui eu, foi o Pe. Alberto.
E outra: o fato de ter ou não ter filhos ou parentes que precisam de Deus não influenciam em nada o que escrevo aqui, até porque, se eu não precisasse de Deus, este reles blogue não existiria!

Rafaela disse...

A paz de Jesus, e o amor de Maria, Evandro!

Faço parte de um grupo de oração da RCC, e concordo plenamente com o fato de que essa dança profana não possa levar as pessoas a Deus. Na verdade, não precisa nem ser uma questão religiosa, mas uma questão moral, pois é explícito e bem claro, que estão camuflando o profano de sagrado.
No início da RCC, as filas de comunhão nas missas diminuíram, mas as de confissão aumentaram. E é, temos muito a ser reconstituído, ainda. E clamar a misericórdia de Deus sobre as nossas vidas.
E você conhece os pregadores como Anderson Luis dos Reis e Moisés Rocha? São grandes profetas dos nossos tempos, e santos homens que fazem parte da RCC, e pelo que sei, não se contentam com as máximas do mundo relativizado. Ah, e peço que ouça essa palestra do Padre Roberto Lettieri, falando sobre o relativismo, que, inclusive e infelizmente, está penetrando na RCC. http://www.youtube.com/watch?v=N5WvPsIIHgk



Que a Virgem Maria nos ajude, e nos socorra, porque a coisa tá feia.
"Ficai comigo, Senhor. Pois Tua presença me é necessária, para não cair tantas vezes."