segunda-feira, 9 de novembro de 2009

E tu, o que farás?

Caro leitor, de Deus ninguém zomba!
Enquanto muitos, no atual momento, estão a gozar de Deus, vivendo como se Ele não existisse...
Enquanto muitos padres se calam, se omitem covardemente, com medo de o povo ficar sem ir à missa e deixar de pagar o dízimo...
A morte é inevitável!
O que faremos quando Deus Filho vir ao nosso leito de morte e buscar a nossa alma?
O que diremos a Ele?
Que nossas almas sintam o justo temor de imaginá-lo ofendido!
Que nossas almas busquem a santidade!
Que nossos padres falem do mal do pecado e das graças da conversão!
Quado formos pesados na balança da Justiça Divina, será que estaremos devidamente pesados para o lado das boas obras?
Tomemos cuidado com o Dia da Ira [de Deus] - Dies Irae - dela os pecadores não escapam!
Convertamo-nos, queridos irmãos - essas palavras valem mais para mim, pois acabo de perder meu avô, homem devoto de Nossa Senhora e que instruiu os filhos, incluindo meu pai, no hábito das coisas da religião, como a devoção do terço, por exemplo - já que da morte não escaparemos, e que possamos ser dignos de nos encontrarmos na casa do Pai, que tem muitas moradas, como o Senhor Jesus disse.

Um comentário:

FireHead disse...

Não podia estar mais de acordo. Infelizmente este mundo é habitado por milhões de idiotas, pessoas que recusam a aceitar a Verdade e gozam com Ela a torto e a direito. Essas pessoas são descrentes, são protestantes, islâmicas, hindus, budistas, maçónicas, etc., tudo filhas da raça da gnóstica serpente. Tudo adeptos da anti-religião.
Todos nós havemos de morrer um dia. Se Deus não existe - e o que o Catolicismo professa for falso - então nós nada perderemos e quando morrermos estaremos como os que em vida nunca acreditaram. Mas se Deus de facto existe, aí nós temos tudo a ganhar porque Cristo tudo nos prometeu, e os que nunca acreditaram se lixarão. É isso que me faz realmente seguir em frente mesmo quando as fraquezas se apoderam de mim, pois eu sei que nada tenho a perder, mas sim tudo a ganhar!
Infelizmente parecem ser mesmo verdadeiras as profecias de que vão muitos para o sofrimento eterno e poucos os eleitos para a glória.