sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Coisa boa é ser “intelequituau”...

Devo confessar que não tenho um gosto musical muito definido, pois gosto de tudo um pouco, desde que a letra tenha algum conteúdo.

Se tem uma coisa que nunca gostei nas aulas de Português, era quando éramos obrigados a ouvir a música e ler a letra de algum desses nomes da dita MPB, que pelo estilo, ao invés de ser Música Popular Brasileira, está mais para Música PEDANTE Brasileira, principalmente aquelas “obras” de seres endeusados pela esquerdalha como Caetano Veloso e, principalmente, Chico Buarque.

E o Vínicius de Moraes? Olha, sem querer julgar se a obra escrita dele é boa ou ruim, digo pelo menos que aquela tal de Bossa Nova, com Tom Jobim e tudo, na minha modesta opinião, é chatíssima, ainda mais quando é cantada por aquele tiozinho desafinado lá, “não sei o que lá” Gilberto [?]. São letras de um rebuscamento irritante, de uma arrogãncia completa, afetadas, bem características daquilo que a Globo, tempos depois, veio incutir na mente do povão miúdo, aquilo que podemos chamar de Leblon's Way of Life (Estilo de Vida do Leblon).

Parece até que brasileiro é só aquilo mesmo, um completo vagabundo que passa o dia inteiro morgando à beira da praia, com um “banquinho e um violão”, observando as garotas que “vêm e que passam”.

Não gosto do sertanejo – maldosamente chamado de “sertanojo” – mas ele é muito mais “MPB” do que os artistas acima citados. Até o escabroso funk é “MPB”, se bem que isso aí não é música porcaria nenhuma. É uma porcaria, só isso.

E por qual razão escrevo sobre a “MPB”? Por que um certo cidadão, que além de compositor e produtor musical, é incensado no meio artístico como uma das grandes cabeças pensantes "destepaiz", numa entrevista que pelo contexto deve ser anterior a 2006, afirmou ser favorável à liberação das drogas. É claro que tinha que atacar a Igreja, como podemos conferir nestas palavras:

Eu sou a favor de legalizar. Só quem não quer a legalização são os traficantes. E a polícia. A polícia apreende a maconha, o pó, pra ela mesma distribuir [Será que é toda a polícia? Muito me admira esse fulano escorregar nas generalizações!]. E qual é a conseqüência quando há uma grande quantidade de droga apreendida? O preço da cocaína sobe. O preço da maconha sobe. [Se com as drogas caras desse jeito, muita gente procura, que dirá quando os preços baixarem! A arraia-miúda vai largar o crack para, finalmente, poder 'usufruir' da cocaína pura, da maconha 100% natural, etc.] Agora o governo federal está querendo criar espaços diferenciados para consumo de droga para os viciados, com toda a proteção, tratando essa gente não com polícia, mas com medicina e a igreja já começou a chiar. E depois falam dos evangélicos! Mas a Igreja é que fica se metendo em tudo. A CNBB já propôs um plebiscito irresponsável sobre o país pagar ou não a dívida externa. O que a Igreja entende de economia? [A CNBB faz as 'obras' dela e é a Igreja como um todo que leva a fama!] O que a Igreja entende de sexo? [Creio que mais do que o cidadão...]. O que a Igreja entende de droga? Não dá mais pra aguentar esse negócio da Igreja quer mandar em tudo, fazer a cabeça de todo mundo a respeito de todos os assuntos. Todo mundo está cansado de saber que a droga não vai acabar nunca. [Aí por isso não devemos mais combatê-la? Então se a droga nunca vai acabar, é melhor deixá-la para lá? Os outros que se 'explodam'?] E se gasta fortunas, energia e tudo o mais nessa guerra. Sabe quantos presos por droga tem nos Estados Unidos? Dois milhões.”

Prefiro ser um mero professor assalariado mesmo, morando no escaldante Ceará – se bem que agora no momento em que escrevo está uma bruta chuva – a viver com frescura e me envolver em briguinhas fúteis e desentendimentos bobos, como os “gênios artísticos” do nosso Brasil (que aí não é varonil nem de longe) gostam de participar.

Fonte da “obra”:

http://www.semcortes.com/?p=31

Um comentário:

Thicianne disse...

Gostei muito dessa postagem, como sempre muito bem escrito.Com a maioria, estou de total acordo! Sempre que posso dô uma olhada. Parabéns! ;D