segunda-feira, 25 de julho de 2011

CRUZADO SIM, TERRORISTA, JAMAIS!

Após aquele terrível episódio na Noruega, onde dezenas de pessoas foram assassinadas por um lunático, devemos ter muita calma na hora de fazermos as nossas considerações.
Quem se diz "cristão de direita" (sic) - como se a fé em Cristo fosse baseada em facções políticas - jamais cometeria tal atrocidade. Pelo fato desse facínora ter matado tanta gente, deve ter falado mais alto o selvagem sangue viking nas veias dele.
Ainda que esse assassino se declare "cristão", essa carnificina jamais poderá ser considerada como um ato cristão. Nem se esse terrorista, sem motivo algum, invadisse uma mesquita e matasse todas os adeptos da infame superstição islâmica!
E o cara ainda citou o Brasil, cuja corrupção e desigualdade social seriam causadas pela mistura de raças.*
Cristão? Que nada! Esse maluco não passa de um nazista da mesma laia do Adolfinho.
Sim, mas e as Cruzadas?
As Cruzadas, ao contrário do que muita gente costuma papagaiar, não foi uma guerra imperialista, foi um ato de defesa, pois o Islã, como religião, é expansionista por natureza (como podemos ver no caso do do cerco de Viena, em 1529), tanto é verdade que em 1453 (ou seja, pouco depois das expedições cristãs ao Oriente Médio) os turcos conquistaram Constantinopla.
Continuemos com as Cruzadas...
"Ah", dirá alguém, "mas os cruzados massacraram populações civis, não pouparam nem mulheres, crianças e velhos!", ou "E o saque de Constantinopla em 1204**?"
Quem tem esse questionamento como uma reprovação às Cruzadas, deve imaginar que os soldados do Islã, em nome da instalação de um califado mundial, eram gentis com os cristãos das terras invadidas. Os armênios que o digam!
Portanto, nada de nos envergonharmos de que, num passado longínquo, a Igreja precisou pegar em armas para defender não só a religião cristã como também uma civilização que corria grave perigo de ser extinta.

CRUZADO SIM, TERRORISTA, JAMAIS!

-----------------------------------------------------------------------------
* Se existe tanta coisa ruim no Brasil não é porque a população seja mestiça, é porque o povo é sem-vergonha mesmo, desde o euro-brasileiro (branquinho legítimo) até o pardo misturado (de lábios africanos, cabelos indígenas e nariz afilado de português).

** Quanto à pilhagem de Constantinopla e suas trágicas conseqüências, devemos sempre deplorar tal selvageria, pois nada tem a ver com os ensinamentos de Jesus Cristo, mas há que se ressaltar que Sua Santidade o Papa Inocêncio III (organizador da expedição) fucou profundamente revoltado, censurando a atitude irracional daqueles que se desviaram da função original, que era conquistar o Egito).

2 comentários:

O sofrologista católico disse...

Anders Behring Breivik
"Breivik's father was a Siviløkonom (Norwegian professional title, literally "civil economist"), who worked as a diplomat for the Royal Norwegian Embassy in London (and later Paris). His father currently lives in France as a pensioner and had no contact with his son after 1995. His mother was a nurse. He has two half-brothers and two half-sisters, from the previous marriages of his parents. His parents divorced when he was one year old and his mother together with him and his half-sister moved from London back to Oslo."

(http://en.wikipedia.org/)

Queria chamar a atenção para os sublinhados. Tudo o resto (pretensos motivos ideológicos, etc.) são pretextos, disfarces.

FireHead disse...

A imprensa esquerdista lá faz o seu trabalho de lavagem cerebral aos incautos. Quer dizer, o Anders é um «cristão fundamentalista» sabendo nós também, e os próprios média fizeram questão de o afirmar (poucas vezes, claro), que ele é um iniciado na «Loja Azul»? O próprio admitiu no manifesto que escreveu que ele é um MAÇON. E um maçon é cristão? Nunca! A Maçonaria é pagã, mas muita gente acredita piamente que o facto de haver maçons que se afirmam cristãos (coisa que seguramente não são) faz com que a seita passe a ser automaticamente cristã...
Se os atentados fossem muçulmanos, a esta hora já ninguém falaria deles. Como foi perpetrado por um suposto «cristão fundamentalista» da extrema-direita branquinho, loirinho e de olhos azuis, é provável que na próxima semana ainda estejamos a levar com ele...