terça-feira, 8 de setembro de 2009

"Fabeticamente correto"

Quem já reparou na blogosfera católica, principalmente o Pacientes na Tribulação, o Sucessão e o Adversus Haereses, ao analisar as respostas das fabetes, chegará à seguinte conclusão: são gente sem o mínimo de conhecimento, fazem defesas do indefensável e o pior, sequer têm argumentos.
Quando aqueles que criticam os erros doutrinários do Pe. Fashion usam de argumentos válidos, com começo, meio e fim, as fabetes fazem justamente o contrário: sem argumentos, caem naquele sentimentalismo irritante.
Falam muito daquele “amor” bichístico e debilóide, que nada tem a ver com o verdadeiro amor pregado por Cristo.
E o fanatismo pelo padre é tão grande, que as fabetes – incluem-se nesse “as” os meninos que “curtem” as músicas do Favo – esquecem-se daquele amor adocicado com muito melado de caramelo e “descem a lenha” em quem não pensa como ele: já vão chamando de “invejoso” e “fariseu”.
Mas voltando ao padre: ao ver uma parte da homilia do dito cujo, segunda-feira (07) na TV Canção Morna, é inegável que ele disse uma ou outra coisa correta, como quando ele criticou aqueles telepastores que prometem as benesses desta vida se o crente dá o dízimo. Mas nada é perfeito, como quando ele elogiou o finado D. Hélder Câmara, que sob o pretexto da defesa dos mais fracos, esvaziou a teologia, reduzindo a Igreja a uma mera instituição assistencialista.
Será que as fabetes vão reclamar do padre que foi falta de caridade quando ele pensou “o inferno baixou aqui”, ao ver um coral, munido só de um violão, cantar desafinado, em uma reunião num lugar qualquer?
Será que as fabetes vão dizer que foi por falta de amor que o padre fez cáusticas piadas contra aquelas senhoras, desprovidas de beleza física, que vão à missa não tão fashion quanto ele?
Cuidado, caro leitor e prezada leitora: o “fabeticamente correto” está a todo o vapor, se você não tiver argumentos reais, “com pé e cabeça”, ficará marcado como fariseu, invejoso e cheio de ódio no coração.

2 comentários:

In Praelio disse...

Caríssimo,

Gostei do artigo, realmente a defesa dos/das Fabetes chega ao cúmulo da ignorânica doutrinária.

Gostaria de indicar dois textos publicados em meu blog que retratam muito bem essas defesas:

O primeiro uma senhora para defender o Favo de Mel simplismente ataca a Eucarsitia e a Missa Tridentina: http://praelio.blogspot.com/2009/08/nunca-tinha-lido-tanta-asneira-de-uma.html

E no outro outra pessoa para defender o Padre Fashion diz que nem Jesus foi perfeito : http://praelio.blogspot.com/2009/08/nunca-tinha-lido-tanta-asneira-de-uma_16.html

Esses são apenas pequenos exemplos do do mal que ese padre causa.

Pax et bonvs.
Jefferson Nóbrega

Evandro Monteiro disse...

Aquela do "nem Jesus foi perfeito" foi podre demais!